Maringá

Maringá, terceira maior cidade do Paraná, há quatro anos está entre as 5 melhores cidade no Ranking de Saneamento Básico com foco nas 100 maiores cidades do Brasil, realizado pelo Instituto Trata Brasil.

A cidade tem abastecimento de água para 99,99% da população. O tratamento do volume de esgoto é de 100%. Já a coleta de esgoto atinge 99,98% da população.

O ranking de 2020 apontou que 22,41% da água é perdida antes de chegar as residências.

  Indicador de atendimento total de água (%) Indicador de atendimento total de esgoto (%) Indicador de Esgoto Tratado por água consumida (%)
2014 100 95,27 93,70
2015 99,98 100 96,30
2016 99,99 99,99 99,98
2017 99,99 99,98 100
2018 99,99 99,98 100

O INSTITUTO TRATA BRASIL ENTREVISTOU A COMPANHIA ESTADUAL DE SANEAMENTO BÁSICO DO PARANÁ, SANEPAR, RESPONSÁVEL PELOS SERVIÇOS NO MUNICÍPIO. LEIA NA ÍNTEGRA:

Que esforços foram feitos na gestão do saneamento local que fez com que se chegasse a esta posição tão boa?  

A gestão local possui um alto índice de planejamento. Seguidamente são avaliadas as áreas sem cobertura e na sequência é aberto um plano de ação com prazos de execução de projetos e obras. Assim, a ampliação da rede coletora ocorre em um curto espaço de tempo, atendendo aos anseios da comunidade local. Outro fator importante é que os novos loteamentos de Maringá são obrigados, por força de lei, a executar e entregar a rede coletora para os novos moradores.

Também existe uma preocupação constante em atualizar o diagnóstico operacional dos sistemas de água e esgoto de Maringá. Desta forma conseguimos identificar, com bastante rapidez, qual o melhor investimento e aquele que atenderá melhor ao município. Com isto, a obtenção e a destinação de recursos para investimento ficam mais transparentes e precisas. Tudo isto apoiado na orientação do corpo diretivo da empresa.

O que você destacaria como os fatores mais importantes para esse avanço?

O sucesso do saneamento local tem alguns fatores, como planejamento urbano integrado ao planejamento de saneamento; manutenção de um bom nível de investimentos, sobretudo na ampliação de rede coletora e de tratamento de esgoto, já que o abastecimento de água está consolidado há décadas na comunidade local. Também podemos destacar a participação da população. Os usuários precisam enxergar a Política Sanitária como prioritária, pois além do bem-estar que o saneamento proporciona, ele também traz desenvolvimento, renda e emprego para a população.

Também são fundamentais as parcerias do Município com a Companhia, o apoio da sociedade civil organizada, que cobra e fiscaliza a aplicação de recursos, e a política de investimentos da Sanepar, que garante grande quantidade de recursos para serem aplicados em Maringá.

Como outras cidades podem melhorar os indicadores de saneamento?

As cidades podem melhorar seus indicadores avaliando as áreas de expansão do município, planejando investimentos em etapas para o atendimento de áreas que não possuem rede coletora ou atendimento com água potável. Outra ação importante é solicitar, junto ao poder público municipal, que as novas áreas de loteamento já sejam concebidas com infraestrutura completa de saneamento, e por fim estudar e viabilizar uma tarifa para que os custos e investimentos possam ser amortizados e para que a companhia prestadora do serviço tenha saúde financeira.

Também são fundamentais estudos que possibilitem os investimentos mais eficientes e econômicos, seja através de investimentos com capital próprio, parcerias com as prefeituras ou através de financiamentos do BNDES, Caixa Econômica Federal, entre outros.

Quais tipos de problemas identificaram em relação ao saneamento básico da cidade? Como resolveram para chegar aos indicadores atuais?

A atuação da Sanepar em Maringá sempre foi muito bem planejada. Por este motivo não enfrentamos grandes problemas para o desenvolvimento do saneamento na cidade. Um exemplo de ação planejada se refere à expansão da rede coletora de esgoto. O município possui três grandes bacias. Por conta disso, a empresa implantou uma Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) por bacia. Esta concepção de saneamento faz com que praticamente não sejam necessárias estações elevatórias de esgoto, permitindo viabilidade técnica para que a rede coletora se expandisse por gravidade para toda a cidade, acelerando assim a expansão da cobertura em coleta e tratamento de esgoto.

Também nos reportamos ao diagnóstico operacional e a escolha da melhor solução para atender a cidade. A posição geográfica e o plano diretor de Maringá também contribuíram para que chegássemos aos indicadores atuais.

Investimentos sem uma boa gestão não trazem resultados. E o oposto? É possível ter sucesso com pouco recurso financeiro?

Recurso, por si só, não significa êxito na gestão do saneamento. O importante é saber onde aplicar e quais as áreas e regiões prioritárias.  Alguns índices de avaliação como renda, IDH e regiões com potencial industrial, comercial, turístico, entre outros, também devem ser levados em consideração. A partir deste ponto, realiza-se uma análise para termos uma real necessidade do recurso. Se os investimentos forem realizados sob essas premissas teremos o equilíbrio entre viabilidade técnica, financeira e social. Teremos o chamado investimento sustentável ou ótimo. É importante salientar que o saneamento com poucos recursos, ou com tarifas deficitárias, não é sustentável e é pouco eficaz na prestação do serviço.

Com certeza, o case de sucesso que é Maringá para a Sanepar se sustentou com o passar dos anos com investimentos bem geridos e com a obtenção de resultados de excelência, quando comparados com o restante do país. O volume de investimentos não precisa ser tão expressivo, mas se as intervenções foram cirúrgicas e precisas, o resultado irá se traduzir em indicadores consistentes e nível de satisfação da população elevado.

Veja as fotos

(11) 3021-3143
tratabrasil@tratabrasil.org.br
Desenvolvido por DMSNet