Niterói

A cidade de Niterói, no Rio de Janeiro, ocupa a 18ª posição do ranking do saneamento das 100 maiores cidades do país.

O abastecimento de água ocorre para 100% da população da cidade, e 95,34% da população tem coleta de esgoto. O índice de tratamento de esgoto é de 100%.

  Indicador de atendimento total de água (%) Indicador de atendimento total de esgoto (%) Indicador de Esgoto Tratado por água consumida (%)
2014 100 93,00 94,92
2015 100 93,10 100
2016 100 94,78 100
2017 100 94,81 100
2018 100 95,34 100

O INSTITUTO TRATA BRASIL ENTREVISTOU O GRUPO ÁGUAS DO BRASIL, RESPONSÁVEL PELOS SERVIÇOS NO MUNICÍPIO. LEIA NA ÍNTEGRA:

- Que esforços foram feitos na gestão do saneamento local que fez com que se chegasse a esta posição tão boa?  

A gestão implementada teve papel preponderante: muito foco e agilidade acompanhados de pesado investimento (mais de R$700Mi investidos), que transformaram o saneamento da cidade.

O que você destacaria como os fatores mais importantes para esse avanço (vontade política, manutenção do foco em saneamento mesmo com mudanças políticas, manutenção dos investimentos, envolvimento da população, outros)

Na verdade, foi um conjunto de fatores associados à vontade e a necessidade de fazer acontecer, somado a um Grupo que trabalha sério e que vem realizando pesados investimentos. Basta imaginar o cenário à época do início da concessão no município de Niterói, quando tínhamos regiões inteiras somando mais de 130.000 hab sem acesso à água potável, e que apenas 35% do esgoto produzido era coletado e tratado. Algo precisava ser feito.

Como outras cidades podem melhorar os indicadores de saneamento?

Primeiro é preciso que o saneamento seja colocado como uma prioridade e, desta forma, por meio de uma gestão responsável, receber os investimentos necessários.

Quais tipos de problemas identificaram em relação ao saneamento básico da cidade?

Como resolveram para chegar nos indicadores atuais?

Os mais variados problemas: perdas muito altas (cadastro técnico e comercial precários, parque de hidrômetros antigos, alto número de ligações clandestinas, número expressivo de vazamentos de água), inadimplência alta, despejo de esgoto nas praias, ausência de controle operacional, vários problemas operacionais (unidades de bombeamento sucateadas, redes de distribuição obsoletas, etc...), entre outros.

Uma equipe muito comprometida com a causa e com a cidade conseguiu, com o apoio da alta gestão, transformar a realidade da época na que temos hoje, com o abastecimento de água universalizado e a coleta e tratamento de esgotos rumo à universalização.

- Investimentos sem uma boa gestão não trazem resultados. E o oposto? É possível ter sucesso com pouco recurso financeiro?

Cada caso deve ser estudado individualmente, mas melhorando a gestão com certeza resultados aparecerão.

Veja as fotos

(11) 3021-3143
tratabrasil@tratabrasil.org.br
Desenvolvido por DMSNet