Logo Trata Brasil
Dia do rio

>Dia do Rio: contaminação diária causada pelo despejo irregular de esgoto deteriora os corpos hídricos do país 

No Brasil, cerca de 5.522 piscinas olímpicas de esgoto sem tratamento são lançadas todos os dias nos corpos hídricos

Grande curso de água natural, usualmente de água doce, o rio é um corpo hídrico essencial à vida e ao meio ambiente. Nesta sexta-feira, 24 de novembro, é celebrado o seu dia, o Dia do Rio, uma data instituída para ressaltar a importância de ações e medidas para proteger essa fonte tão importante de água, uma vez que as preocupações com a escassez hídrica estão cada vez mais presentes.

Para que haja a conservação e proteção dos rios é fundamental o acesso pleno aos serviços de saneamento básico. Infelizmente no Brasil essa é uma realidade distante. Além dos mais de 33 milhões de habitantes sem acesso à água potável e quase 93 milhões sem coleta de esgoto, o país trata apenas 51,3% do esgoto gerado – isso significa que um volume de 5.522 piscinas olímpicas de esgoto sem tratamento são despejadas diariamente de forma irregular em rios, mares e lagos, contribuindo assim para a deterioração do meio ambiente.

Além disso, a ausência de serviços de coleta e de tratamento de esgoto tem implicações imediatas na saúde da população. Essa exposição ambiental causada pelo despejo irregular do esgoto e a falta de água tratada provocam doenças que prejudicam a qualidade de vida de crianças, jovens, adultos e idosos. 

Mario Moscatelli, embaixador do Trata Brasil, biólogo, mestre em ecologia e especialista em gestão e recuperação de ecossistemas costeiros, alerta sobre o descuido com o meio ambiente e os corpos hídricos pela falta dos serviços de saneamento básico. A questão do saneamento básico é um desses descuidos abomináveis de nosso país. É inaceitável que cerca de metade da população brasileira não tenha saneamento e que os habitantes não tenham acesso à água em boas condições. Portanto, é fundamental entendermos que já perdemos muito tempo em descuidos e em atitudes politicamente e administrativamente incorretas com o meio ambiente. Repito: perdemos tempo demais e agora precisamos nos preparar para a resposta da natureza”.

Uma vez que a água é um recurso finito e que ainda muitos habitantes vivem sem acesso, conservar e recuperar rios, lagos, manguezais e mares é de extrema importância para o abastecimento do recurso. Atender a população com coleta de esgoto adequada e tratar os esgotos devem ser prioridade na agenda pública a fim de reduzir doenças ocasionadas pela falta de saneamento e proteger a natureza.